O Ensino Fundamental - Anos Iniciais é uma etapa de intenso desenvolvimento intelectual, social, emocional, cultural e estudantil dos alunos e alunas, dos 6 aos 10 anos. Nesse período de escolaridade ocorre a progressiva sistematização das experiências vividas na Educação Infantil, numa dimensão predominantemente lúdica. 

Alunos e alunas, bem mais autônomos, seguros  e desenvoltos passam a construir, a partir do 1º ano do Ensino Fundamental,  novas possibilidades de compreensão de si mesmos(as), do mundo natural e social, das relações dos seres humanos entre si e com a natureza. Podem, dessa forma, ter uma maior responsabilidade no importante processo de aprender a aprender.

Todas as estruturantes aprendizagens construídas do 1º ao 5º ano do Ensino Fundamental  se refletirão na formação dos(as) alunos(as), pois é nessa etapa que eles(as) afirmam sua identidade em relação ao coletivo em que estão inseridos(as) e aprendem bastante sobre normas, princípios e valores norteadores de suas ações, como seres sociais e cidadãos do mundo.

Todos os familiares deveriam ter em mente essas ideias ao escolherem uma escola para o seu (sua) filho(a), se desejam , de fato, que ele(a) construa competências para a vida e não só adquira conhecimentos para se saírem bem em testes acadêmicos. Nem sempre sair-se bem nas provas escolares é indicativo de uma boa formação integral, que implica, não só, em dominar conteúdos das diversas áreas do conhecimento, mas em adquirir competências e habilidades para resolver os diferentes problemas que a vida lhe apresenta, atuando em diferentes e imprevistas situações  com equilíbrio emocional, autonomia moral e intelectual, espírito crítico e  atitude colaborativa. 

As escolas que adotam um ensino construtivista entendem bem de desenvolvimento infantil e respeitam as suas progressivas etapas, pelo reconhecimento das potencialidades e limites dos(as) alunos(as) e pelo acolhimento e valorização das diferenças. 

Os estudantes do Ensino Fundamental - Anos Iniciais que vivenciam um ensino construtivista aprendem novas possibilidades de levantar problemas pertinentes a temáticas e contextos específicos;  de ler e formular hipóteses sobre os fenômenos, de testá-las, de refutá- las, de elaborar conclusões, em uma atitude ativa na construção de conhecimentos. Essa atitude ativa é bastante valorizada e estimulada no desenvolvimento de projetos.

Entendemos os projetos como uma proposta de intervenção pedagógica que dá a atividade de aprender um sentido novo, por considerar numa perspectiva mais dinâmica, interativa e abrangente, tanto os papéis do aluno e do/a professor/a, quanto os conteúdos escolares. Por isso, no Colégio Apoio, o trabalho por projetos já é desenvolvido há muitos anos.

Ao aprender através de projetos, o(a) aluno(a) amplia suas possibilidades de construir a autonomia ética e a intelectual, à medida que é estimulado(a) e orientado(a) a participar ativamente do seu próprio processo de formação, dando opiniões acerca da relevância e significado de determinados temas, levantando problemas reais a pesquisar, lidando com diferentes pontos de vista ao confrontar-se com os(as) colegas nas experiências de modo independente, assumindo responsabilidade, se  autoavaliando em relação às metas previstas, tornando-se, enfim, um agente de sua própria aprendizagem.

Por meio do trabalho por projetos, oportunizamos que nossos alunos e alunas possam aprender com qualidade no Ensino Fundamental, educando-os(as), também, para a cooperação, para a aprendizagem em grupo e para que aprendam a lidar com a enorme quantidade de informações que circulam, transformando-as em conhecimento e aprendendo a aprender.

Partindo do princípio de que o(a) aluno(a) aprende a fazer e aprende a aprender observando, seguindo instruções ou colaborando em situações de interação com os seus pares mais experientes, seus educadores e com os diversos objetos de conhecimento, o(a) professor(a), no desenvolvimento de projetos e também em outras modalidades organizativas da prática educativa atua como mediador(a) entre o conhecimento novo e os conhecimentos prévios dos alunos, entre a escola e a cultura extra-escolar, entre um(a) aluno(a) e os demais. Ele(a) assume o papel de “atiçador(a)” da curiosidade, promovendo atividades instigantes dentro e fora da sala de aula e está, autenticamente, disponível para aprender com seus alunos.

Esses aspectos acima fundem-se no dinâmico processo de construir competências no Ensino Fundamental- Anos Iniciais,  relativas ao aprender a conhecer, aprender a fazer e aprender a ser, enfim, aprender a aprender.

Os conteúdos nos projetos são tratados de forma interdisciplinar. Isso não quer dizer que todas as disciplinas devam ser contempladas no projeto nem que todos os conteúdos de uma disciplina, para certo período, sejam tratados no projeto. Procuramos, sim, levar em conta os verdadeiros vínculos e conexões de conhecimentos e a lógica de desenvolvimento de cada disciplina, na modalidade de ensino construtivista que adotamos no Colégio Apoio. 

Toda criança adora explorar o desconhecido. Sua imaginação fica solta e seu pensamento vai muito mais além. Sua curiosidade fica aguçada e, partir para a investigação, é só uma questão de ter alguém que facilite e oriente a busca de informações que respondam aos seus questionamentos. 

Nos projetos interdisciplinares que nossos(as) alunos(as) desenvolvem,  as professoras são as grandes mediadoras das construções realizadas, estimulando sempre o  protagonismo de todos(as)  eles(as) , precisam ser valorizados por pais e mães no momento de escolherem uma  escola para ele(a).

Por meio  da pesquisa em diferentes fontes e da experimentação, procuramos ensinar aos alunos e alunas a selecionarem e organizarem informações. A produzirem materiais que ajudarão no processo de aprendizagem em cada etapa de investigação dos temas em questão. Estimulamos sempre  a busca de explicações/respostas para as questões levantadas pelos (as) alunos (as).

Procuramos favorecer a construção de um vocabulário mais amplo, de novos conceitos e conhecimentos, aceitos atualmente pela comunidade científica.

Nessa fase de desenvolvimento intelectual, cultural e estudantil, os alunos são expostos a  uma multiplicidade  de situações que envolvem conceitos e fazeres científicos, desenvolvendo observações, análises, argumentações e formulação de perguntas. Interagem com as  mais diversas tecnologias de informação e comunicação, que  são fontes que estimulam o pensamento criativo, lógico e crítico, indispensável para uma atuação competente, consciente e transformadora na realidade em que vivem.

Em síntese, uma educação de qualidade no Ensino Fundamental implica em se promover uma aprendizagem criativa, com processos colaborativos, pedagogia ativa, abordagem baseada na resolução de problemas e no desenvolvimento de projetos, com auxílio de novas tecnologias. Uma educação dessa completude nessa fase de desenvolvimento do aprendiz servirá de uma base potente para as futuras etapas da Educação Básica e para a vida. 

a

[]